PERGUNTAS
FREQUENTES

Após a coleta das informações de necessidades, objetivos, público-alvo, formatos, enfim, todas as informações iniciais suficientes para um perfeito entendimento da estrutura necessária para a produção, estas informações são passadas para uma sinopse, a qual orientará o atendimento desenvolver o levantamento dos custos envolvidos na produção do vídeo – número de diárias de captação, cenário, locações, atores, figurantes, figurinos, computação e animações gráficas, trilha, locução, profissionais, recursos técnicos especiais, captação de imagens aéreas, parque de luz. Enfim, cada vídeo vai ter uma característica específica e isto vai direcionar o investimento necessário em sua produção. Normalmente, A Softcine têm formas de ajustar e racionalizar o investimento com alternativas mais econômicas e oferecer soluções de produção de acordo com o orçamento destinado ao vídeo. Por isto, quando pensar em fazer um vídeo, é importante discutir a verba disponível, adequando-a ao orçamento.
Podemos elencar até 10 passos, começando pelo briefing, pela sinopse e orçamento. Depois de aprovado o orçamento elabora-se o roteiro, o qual após aprovado, faz-se uma reunião de pré-produção, visita técnica para as gravações, a gravação em si, a edição/sonorização, aprovação e por fim a distribuição.
Tecnicamente, um audiovisual de empresa não deve ultrapassar oito minutos, salvo vídeos de treinamentos que têm em média quinze minutos. Com o crescimento da audiência nos canais de internet, o tempo de duração do vídeo deve estar adequado a estes canais, normalmente vídeos mais curtos, entre um a três minutos. Nos canais de internet, sugere-se que até os vídeos de treinamento sejam separados em blocos mais curtos para facilitar a sua visualização e também a absorção do conteúdo.
Depende da utilização. Se for para um lançamento, campanha de marketing/vendas, evento ou ocasião específica deve estar ajustado à estratégia de planejamento do mesmo. Caso se trate de um material institucional, como os vídeos de empresa, o tempo de vida útil pode chegar a dois anos, dependendo do perfil da empresa e de sua necessidade de atualização da comunicação. Quando a empresa trabalha com alta tecnologia, o vídeo tem vida útil bem menor, e função da constante evolução de informações e equipamentos.
Em ações de vendas, feiras, eventos, exposições, congressos, palestras, treinamentos, salas de aula, ante-salas e trabalhos de endomarketing. A visualização de um vídeo pode ser em diferentes tipos de telas – TV, computador, celular, tablet, telão com projetor, etc. Pode também ser enviado por mídia digital, tipo DVD, Blu-Ray, pen-drive, Hard Disk ou postado nos canais de internet – youtube, vimeo, Facebook, Instagram, etc.

O vídeo funciona como uma ferramenta de comunicação que por suas características técnicas pode ampliar detalhes por meio de movimento de câmera, enquadramentos, lettertings, inserts gráficos e efeitos especiais. Ele pode revelar particularidades de um produto ou de uma situação impossíveis de serem demonstradas ao vivo ou por meio da escrita. É a maneira mais prática de se comunicar com grupos, plateias ou pessoas que estejam à distância.

Sim, sem nenhuma dúvida. O didatismo desta ferramenta de comunicação facilita a assimilação dos conteúdos que ganham força com o impacto dos recursos de áudio e imagem. A transmissão das informações fica mais leve, natural e até divertida. Um vídeo bem planejado e produzido encurta o tempo das apresentações, tem mais precisão, principalmente quando for necessário mostrar muitas informações de uma só vez.